Relato de Caso: Haemophilus Parasuis

Relato de Caso:
Haemophilus Parasuis

Dr Luiz Eduardo Ristow,
Cid Bastos Fóscolo

Méd. Veterinário do TECSA Labs
Ana Paula Stynen

Descrição da granja

O proprietário de uma granja de ciclo completo com 1000 matrizes, localizada em Minas Gerais, constatou ao final de um ano que a atividade lhe trouxe alguns prejuízos por morte de leitões e alta taxa de refugos. O desenvolvimento da granja foi rápido, trabalhando-se com uma grande densidade de animais, não permitindo um vazio sanitário adequado e sempre precisando de novas construções ou adaptações. O esquema de vacinação utilizado é apenas para doenças reprodutivas e contra Streptococcus suis.

Aparecimento do caso

O proprietário, após fazer o balanço anual, resolveu recorrer a um veterinário. Assim que chegou, o veterinário fez uma análise completa dos índices zootécnicos e verificou uma alta taxa de mortalidade entre os animais jovens (entre duas semanas e quatro meses), baixo ganho de peso e conversão alimentar deficiente. Após análise o veterinário percorre toda a granja, verificando que alguns animais da creche e recria apresentavam dispneia, respiração abdominal, tosse, desuniformidade nos lotes. Nas matrizes observou-se nascimento de leitões fracos e com baixo peso. Em cada leitegada parida, três a quatro leitões se tornavam refugos. O veterinário, diante da suspeita clínica de doença respiratória, fez necropsia em três animais refugos, encontrados mortos e enviou ao laboratório fragmentos de pulmão, focinho e swabs nasais, coletados antes da necropsia, para isolamento e identificação de microorganismos patogênicos.

Resultados do exame bacteriológico

No laboratório, o veterinário foi avisado de que as condições do material enviado poderiam comprometer o resultado da análise e foi sugerida uma nova coleta, observando-se alguns pontos importantes no momento da coleta: não enviar animais mortos há muito tempo refugos crônicos, observar se os animais coletados estão sem medicação por no mínimo sete dias e se as condições de higiene não comprometem a coleta do material.

Após cinco dias o veterinário recebeu o laudo com o seguinte resultado:

Presença de Pasteurella mutocida do grupo A nas amostras de pulmão enviadas ao laboratório, nas outras amostras não foi possível a identificação de microorganismos devido à alta contaminação do material analisado.

O veterinário, de posse dos resultados e sabendo que a coleta do material não foi adequada, voltou à granja. Em uma segunda vistoria observou que alguns animais, além de problemas respiratórios apresentavam dificuldade de locomoção, passadas desapercebidas na primeira visita. Estes animais foram isolados sem uso de medicação e após cinco dias dois animais foram enviados ao laboratório para necrópsia e exames complementares.

Resultados da Necrópsia

Foram observadas alterações nas articulações caracterizadas por inflamação do tipo fibrinosa e purulenta, e o tecido periarticular apresentava-se edemaciado. Alem disso foram observadas áreas de aderência fibrosas entre os órgãos. Um dos animais apresentava pleurite difusa, pneumonia mucopurulenta, lesões difusas de pericardite e peritonite e aumento de volume dos linfonodos mediastínicos (FOTO). Durante a necropsia foram coletados materiais para exame bacteriológico do pulmão, traqueia, focinho, coração e líquido sinovial.

Resultados do segundo exame bacteriológico

Presença de Pasteurella mutocida do grupo A nas amostras de pulmão e focinho coletadas no laboratório.
Presença de Haemophilus parasuis nas amostras de focinho, traqueia e liquido sinovial coletadas no laboratório

Com este resultado o veterinário fechou o quadro clínico em doença de Glasser.


Comentários

A doença de Glasser causada pelo Haemophilus parasuis é uma enfermidade infecciosa que acomete principalmente o suíno jovem, sendo caracterizada por polisserosite, poliartrite e meningite fibrinosa. Nos últimos anos esta doença tem causado grandes perdas na suinocultura, com importância crescente nos países onde a criação de rebanhos livres de patógenos específicos vem sendo adotada. Geralmente está associada a situações de estresse, tais como mistura de animais de rebanhos com padrão sanitário diferente, transporte, desmama e condições ambientais e de manejo desfavoráveis.

O diagnóstico presuntivo da doença baseia-se no histórico, nos sinais clínicos e nos achados de necropsia. Vários agentes causam sintomas e lesões semelhantes àqueles descritos na doença de Glasser, sendo importante a diferenciação do diagnóstico diferencial. A confirmação do diagnóstico deve ser realizada pelo isolamento do agente. O tratamento pode ser feito através de várias drogas por via parenteral. Para impedir que a doença se difunda para outros animais, pode ser usada medicação preventiva via ração. Na prevenção da doença é essencial eliminar ou reduzir os fatores de estresse. A utilização de vacinas inativadas tem apresentado resultados satisfatórios.

Unidade Matriz
Av. do Contorno , 6226 - Savassi
30.110-042 - Belo Horizonte- MG/Brasil
PABX: (31) 3281-0500
Email: sac@tecsa.com.br
Horário Atendimento Tecsa
Cadastre-se para
Receber Novidades
Receba as novidades do TECSA
Facebook